sexta-feira, 24 de março de 2017

Poema Violência (poesia tecnológica experimento IV)

Poema Violência (versão I) projeto feito com Inkscape.
Ainda em fase embrionária, este é apenas o poema concreto de onde a poesia tecnológica deve nascer. A ideia central é adicionar camadas de animação e voz. A voz deve ser baseada em trilhas sonoras de filmes de terror como A Bruxa e O Iluminado.

Indeciso se deve ter ou não uma camada de tinta ou uma mancha como uma poça que se forma com a deformação do desenho todo, porém, o poema possui uma composição de muitos elementos e não sei ainda como seria possível vetorizar esse derretimento do poema na forma de uma mancha. A poesia tem um easter egg ou algo que seja parecido quando se aumenta ao máximo a visão.



take 360

Eu o vi descer pelo encanamento do prédio
soturno, ereto & cambaleante;
Equilibrando se em memórias d’uma lata de refrigerante, pálida…
e de contornos amassados por seis assimétricos furos;
Lá embaixo baforava camas elásticas de fumaça
a esperar o paraquedas abrir se
atordoado por chapiscos azuis do muro
a segurar uma testa que sangrava flores
crisântemos crescentes de tempo epiléptico
pífios parâmetros de vida
um Instagram da descida ao Inferno
onde nem Internet havia…

quarta-feira, 22 de março de 2017

quinta-feira, 9 de março de 2017

sábado, 4 de março de 2017

exercício de micro conto 2

Cinco da manhã. Ainda sem sol (ou estrelas) Walkíria arremessa a lata de cerveja no painel, que alumiava ternos olhares trocados. Ela duro e bicos rijos, ele de narinas brancas nas bordas. Walkíria urra e sai. Eles partem.

quarta-feira, 1 de março de 2017

exercício de micro conto

“Vende-se: conjunto de facas e enxoval de criança nunca usado. Urgente, apenas dinheiro. Contato: Caixa Postal 234H.”