segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Memorial

A velhice traz consigo
o rancor desmensurável
ou melhor dizendo
desmedido

A memória torna-se insolúvel
ou melhor dizendo
infinita
traz consigo a velhice

Trapaça do tempo
que toca
a solitude

O tempo trapaça
a solitude
que toca

Poder sentar nos cristais soltos de Niemeyer
fotografadas obras esfarelando-se
na velhice
assim como a faringe
esfarela-se com o câncer
anunciando a morte
em cada respiração sem norte

O passar do tempo traz o plano
não existem mais serras
cuestas & planaltos
montanhas ou encostas
apenas uma linha plana

Domada pelo Deus Sol
a queimar insolentes retinas que ousam
acima do ácido horizonte olhar

Fantasmas tornam-se tijolos
constroem casas pós modernas
de alvenaria
a simpatia alheia alquimia
de inconveniência enraizada na sandice

A solidão amante
interrompida pela língua
de um cachorro louco
- de amor suicida -

Tudo está ruindo
enquanto fingimos alegrias
à desconhecidos

Os navios colonizadores futuristas
atracam nas retrocúpulas
das Américas Latinas
enquanto a mão indígena afogada pelo concreto
tenta salvar-se pelo conhecimento

Porém a nau de cimento
impede que toque
nas últimas folhas que lhe restam
assim também nos livros

Oca tecnológica cercada
por arranha céus babuínicos
em sua velhice
que traz consigo
uma escravidão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário