segunda-feira, 20 de abril de 2015

A LUA DO MEMORIAL

O vento circula pelo domo do memorial
              por entre as torres a Lua
                 reflete o concreto
                   que reflete o NADA

Aceleração – freada brusca
               metálico respeitável
                   violento receptáculo
                      os gritos não são de dor
                                                           - mas deveriam

São gritos que refletem o ódio
                                               não a Lua
mais limpa nas Memórias da América Latina

O gene Bandeirante assassino
             eclipse do vento
               violência separada
                   por uma anônima mão

É preciso transgredir o ser humano
     pois esta humanização pós moderna
          não serve
                é podre do núcleo
                                            até o último elétron

O ancião que faz de meu peito morada
     e pinta minhas artérias com gordura morta
       amargo em deserto
          implodiu meus ventrículos
           implorou por uma saída recta
            encontrou apenas sobras da morte

Encontrou apenas pedaços de pele
     derretida pelas areias
        o tempo cinza em cimento
           as miudezas moduladas em solidão
             encontrou apenas pedaços de nossas almas
               procurando quebrar correntes
                presas ao Senhor Tamborim... 

      

Nenhum comentário:

Postar um comentário