sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Pandora

Estradas, engrenagens & alarmes

O cadafalso coberto em rosas,
pronto a disparar um precipício
Cão Raivoso de Pólvora,
desacelera a bala, garra a triturar o peito

O gosto metálico do concreto. - Nasce insólito,
no mito da destruição. Mas não antevê o caminho,
este sim – sinalizado aos tapas;
unicamente iluminado em contagem de cinco anos

Luz nascida numa esquina da vida,
assim são as coisas que desandam
esse maldito cadafalso
que longe estava
antes desta caixa ser aberta.

Último aniversário comemorado aos vinte e cinco,
por debaixo d’uma armação verde -
metal cercado por apartamentos -
o enfim concreto ensinamento sobre lembranças

A estrada de céu laranja
no caminho da volta conhecidos oficiais;
Ao fim do acidente perder-se

Claves abaixo do pensamento
enquanto o furacão repousa;
Som mínimo
sussurro interno urro libertário
o todo do presente rasga-se
como carta impublicável

Camada fina de suor na pele
única forma de não desaparecer
por completo
por entre a borracha, asfalto & calçamento

O cadafalso permanece aberto
observa enquanto ao longe
O Coração bombeia asas
em direção ao farol.


Nenhum comentário:

Postar um comentário