quinta-feira, 26 de maio de 2016

Reanimação cardíaca

...bilhetes nascidos convocações analógicas
numa Semi Tecnológica Guerra
Contra Versão apigmentada
marcada involução em azia cartesiana
A cada rodada onde a linha do tempo
morre rápido demais
Binários últimos suspiros numa sexta-feira no Outono

Placas em concreto
paredes de usinas térmicas desenhadas
a chama piloto acesa pelas rapinas
a nos empurrar de costas em velocidade terminal
neste caminho

Essa amargura vendida é lança
- ofensas pradarias –
De tenazes cavaleiros sem sombra

Rotor de avião ao longe
fuligem no peito
escapamento - a maldição de ser covarde
é ser feliz e cego pelo mesmo todo tempo

A decisão na direção da dor
escorrer pelas mãos
as últimas gotas de alento

Pois eles colocarão uma coleira no Sol
irão mascará-lo
para que não se ilumine as mentiras desta Pantomima

As matas nascidas por entre o vão
de concreto no Elevado
é empatia - Revolução por entre os nãos
no deserto do inconsciente humano
O medo
A depressão
O ódio
A misoginia
são contra ações no Mundo
onde a Sociedade quer transformar
mediocridade em genes

Eu prefiro então o sonho nas muitas casas de Jung
Eu prefiro então a Flor de Drummond parida na morte

Escapa-se por entre os sonhos
Enfrentamento, ações de Loucos
Em Luta

E cada vez mais convenço me que a hora é essa
Horas dos Subterrâneos
ascenderem se
É preciso ensolarar se

Não sabem eles
que Lava rebenta
nas colisões de corpos & almas
tectônicos
comunas humanas continentes libertários
a queimar n'uma invernal fogueira
os símbolos pós modernos que nos querem mortos
iluminando assim os corações
deste Baixio Amalgamado

Correr com eles que invadiram nossos sonhos
urrando neos e mais neos liberalismos
balas de canhão sem solidariedade

[militares - que segundo as vozes, preparados estavam -
são sementes germinativas
desta atual extrema direita lá postada
com suas carrancas cheias de poeira
a sobreviver como se fossem novas
por aparelhos humanos de ideologia mecânica]

Não existe o suposto
quando um tijolo em chamas foi seguro por tanto tempo,
as queimaduras são tão visíveis quanto palpáveis
é dor sem nome...
é dor sem nome...
É Dor Sem Nome!

O Enquandro sobre merendas roubadas
respostas dadas em erro
e tréplicas destruidoras
revirar a alma das pessoas
do avesso
um abalo sísmico n'algum canto do mundo
provocado pela colisão de corpos lutando
do mesmo lado

Nada menos que isso importa agora
Nunca foi tão importante transformar o corpo
n'uma orgânica máquina de amor & guerra

Nunca foi tão importante ser subversivo reverso
onde pessoas são cadastradas pelo simples caminhar
mentiras nos são engasgadas
à força pela faringe

"sonhar até o ponto onde nunca mais possamos voltar"

Nunca foi tão importante
atravessar a caixa torácica com as mãos
agarrar o Coração, apertá-lo e gritar:
- É só isso que você consegue bater?

Nenhum comentário:

Postar um comentário